segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Recado do Ben: Já passei de fase!

Gestação...
 

...e exterogestação.


Já estou com 3 meses, gente. Faz alguns dias que mamãe se deu conta de que, agora, estou me tornando um bebê "grande", não mais um recém-nascido.
Mamãe e papai "estudaram" bastante durante a gravidez. Na verdade, a mamãe é toda de seguir seus instintos e sua intuição, mas ela também é chegada em uma teoria, ah!,é sim. Ainda mais quando a teoria reforça o que ela acha que é certo...
Pois é, antes de eu nascer, minha mãe andou lendo sobre uma tal de Teoria da Exterogestação, dum cara grandão lá dos States chamado Harvey Karp. Ele diz que os recém-nascidos humanos, em comparação aos outros mamíferos, são mais imaturos, já que a gente nasce e não sai caminhando por aí como um bezerrinho ou uma girafinha. A gente é beeeem mais dependente dos cuidados da mamãe que as outras espécies, é ou não é?
Então, o fato é que minha mãe comprou a ideia do tio Harvey, e ela e papai fizeram de tudo para que meus primeiros contatos com esse mundo aqui fossem bem tranquilos, sem traumas...
É, gente, se coloquem no meu lugar! O vivente passa umas 40 semanas em um lugar gostoso, quente, onde não existe fome, frio, onde todas as necessidades são automaticamente satisfeitas, ouvindo as batidas do coração da mamãe 24 horas por dia. De repente, algo acontece; teu reino vai ficando cada vez mais apertado, tu tem que sair, não tem jeito. Não bastasse tudo isso, tu não ouve mais as batidas do coração da tua mãe, te deixam num lugar frio e estático que os adultos chamam de berço, a pança dói e tu não sabe por quê, já que nunca sentiu nada parecido antes... Cara, é uma barra chegar neste mundo... E se os adultos não tentam ter empatia com a gente, daí o cara tem mais é que chorar mesmo, pois não é fácil.

Mas eu tive sorte pra caramba. Como eu estava contando, meus coroas cuidaram de mim se baseando na teoria essa. E não é que dá certo mesmo? Minha mãe ficava comigo nos braços o máximo possível de tempo e me dava a teta sempre que eu pedia. Mesmo que fosse a cada dois minutos ou mesmo que eu quisesse ficar ali durante duas horas. Deixaram até eu dormir com eles para que eu pudesse mamar mais tranquilo, me sentisse mais seguro e a mamãe pudesse descansar melhor pra me fazer um bom leite. Ela e papai resolveram que eu sou a pessoa mais importante daqui de casa, eles dizem que sou prioridade. Não sei o que esta palavra significa, mas deve ser algo bacana, pois a mãe deixa a louça na pia ou tudo por fazer só pra ficar comigo. Outra coisa que eles fizeram foi me dar banho no balde nos primeiros tempos. O balde é apertadinho, me fazia lembrar do útero da mamãe. A mãe diz que o balde é bem melhor que a banheira tradicional, pois na banheira, no início, a gente se sente mais inseguro, jogamos a cabeça pra trás, abrimos os braços, sentindo como se fôssemos cair, devido a um reflexo dos bebêzinhos chamado Reflexo de Moro.
Eu em meu balde, nos primeiros tempos...
...e me despedindo.


Que legal tudo isso, né pessoal? Eu gostaria que os outros bebêzinhos do mundo também tivessem esse tratamento... E passa muito rápido esta fase, galera. Eu mesmo, do alto dos meus 3 meses, já tô em outra. Outro dia andava meio agitado à noite, e meus pais tiveram a ideia de me colocar no berço. Eu me espalhei, abri bem os braços e dormi super bem. Passei assim algumas noites, depois quis voltar. O bom é que o berço tá ali coladinho na cama de meus pais, então vou e volto quando quero, mamo, me aconchego se faz frio, fico no meinho deles se estou me sentindo sozinho, mas se quero me espalhar, a mãe me coloca no berço e durmo com os anjos. Outra novidade é que agora não quero mais tanto colo, às vezes quero ficar no meu berço ou no meu tapete; estou aprendendo a brincar, fico um tempão conversando com meu cavalo-móbile ou brincando com minhas mãozinhas. E o banho de balde? Não dá mais, gente, tô grandão, não caibo mais nele...
Agora estamos todos curtindo minhas novas descobertas e vibrando com as habilidades que venho desenvolvendo. Sempre com muito respeito aos meus sentimentos, já que sou pequeno, mas sou uma pessoa, né?
Sabem de uma coisa? Tô achando uma delícia viver!

Aprendendo a brincar! Iupi!


Leia mais sobre a Teoria da Exterogestação aqui.
A mamãe escreveu este texto inspirada por um livro bem bacana, Bebês de Mamães mais que Perfeitas, de Cláudia Rodrigues, que fala de vários assuntos relacionados a nós, bebês, a partir de nosso ponto de vista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário