terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Benjamin: 9 meses!

Hoje nosso Ben está completando 9 meses. Ele está uma gostosura só. Por enquanto se locomove rolando de um lado para outro, mas já está aprendendo a sentar sozinho. Continua não dispensando um mamá, mas também come muito bem e quer sempre segurar a colher com as próprias mãozinhas para, então, levá-la à boca. Quando está faceiro, faz um movimento lindo, girando as mãos e os pés ao mesmo tempo, no maior estilo "bailaor flamenco". Sente cosquinhas, principalmente na barriga, no pescoço e na parte interna das coxas, dando muita risada. Já segura sozinho o copo de transição e consegue tomar água no copo "dos adultos" praticamente sem derramar. Conversa muito, dizendo muitos bababa, dadada, deideidei, igrrrrr, brrrrrr, e nos imitando às vezes quando dizemos "ai" e "água" (que ele pronuncia "aua"). Consegue pegar farelinhos de pão fazendo um movimento de pinça com o polegar e o indicador e levando-os à boca. Já sabe jogar a bola pra gente. Come bolachinhas sozinho. Está aprendendo a dar tchauzinho. Já posso derreter?

Dando tchauzinho.

Além de celebrarmos mais um mês de vida de nosso Pequeno, hoje é um dia importante porque finda sua segunda gestação. Explico: segundo a medicina chinesa, a gestação não dura nove meses, e sim 18: nove dentro e nove fora do útero. Sinto-me muito contente por termos vivido esse período de forma intensa, amorosa e conectada. Pois é fato que há 18 meses carrego Benjamin, alimentando-o e amando-o (e é a experiência mais incrível de tooooda a minha vida). Até hoje, ele tinha vivido mais tempo dentro de mim do que fora e, lá bem no fundinho de meu coração, considerava-o mais meu que do mundo. Hoje se inicia um novo ciclo, no qual pouco a pouco (sem pressa, tá, filho?) ele começará a ficar mais independente e autossuficiente; dentro de pouco começará a andar, a falar, a trilhar seu próprio caminho e será cada vez mais do mundo do que meu. Esse processo é intrínseco ao "ser mãe"/"ser filho". E não dói, não. Desapego é uma das qualidades que a maternidade tem me ensinado. Mas enquanto ele continuar sendo meu agarradinho "mamão", deixa eu aproveitar, pois é delicioso.

Filhote, você sempre terá uma amiga em mim. O mantra seguidamente repetido por mim "mamãe tá aqui", continuará valendo forever and ever, ok?

Nenhum comentário:

Postar um comentário