quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Para ler quando o bebê dormir

 Outro dia, conversando com uma amiga, também mãe-mamífera, nos divertíamos com o fato de que, após nos ocuparmos de nossos filhotes durante o dia todo, quando finalmente eles dormem e podemos tirar uma folga, ficamos ou falando deles e de suas conquistas diárias; ou vendo fotografias (deles, sempre deles); ou lendo sobre assuntos ligados à maternidade, ou blogando (só pra terem uma ideia, enquanto estou escrevendo isso, Benjamin está dormindo plugado na teta...).
 Então, fiz mentalmente um levantamento dos últimos seis livros que li. De fato, três deles eram sobre aspectos da experiência materna. Posso arriscar dizer que estou fazendo uma especialização no assunto... hehehe! Bem, a questão é que por um motivo ou outro esses 3 livrinhos valem a pena, então, mamães, anotem aí as dicas de leitura para ler depois da meia noite. :-)




 Bebês de mamães mais que perfeitas, de Cláudia Rodrigues
É uma delícia de leitura. O texto é todo escrito dando voz aos bebês e aos seus pontos de vista, o que o torna bem divertido. O que achei mais bacana neste livro é o viés antropológico, partindo do princípio de que as necessidades dos bebês de hoje são as mesmas daquelas dos bebês das cavernas. Não adianta comprar o berço mais lindo, babás eletrônicas, brinquedos superestimulantes e tantas outras parafernálias que o mercado tenta nos convencer de que são ultra necessárias... O que o bebê precisa, pouco importando "se nasceu na Oceania, nas Américas, na Ásia, na Europa ou no Oriente Médio" (citando o texto de quarta capa), é de colo, alimento, aconchego e presença.
Simples assim.




Mamãe, eu quero: Guia prático de alimentação para crianças todas as idades, de Sônia Hirsch
Um livro perfeito para as mães que querem oferecer uma alimentação saudável e equilibrada para os filhos e para o resto da família também. Defensora da máxima de que "a saúde é subversiva porque não dá lucro a ninguém", Sônia nos incentiva a gastar mais na feira e menos na farmácia, além de auxiliar na elaboração do cardápio, oferecer receitas, informar sobre as propriedades nutricionais dos alimentos e fornecer dicas naturais para tratar de algumas doenças infantis.



Eu era uma ótima mãe, até ter filhos, de Trisha Ashworth e Amy Nobile

Comprei este num balaio da Feira do Livro de Porto Alegre e, no início, não gostei muito pois achei a visão das autoras meio "apocalíptica" em relação à maternidade. Mas continuei lendo e fui gostando mais e mais do livro. É leve e bem-humorado e me fez pensar que, na grande maioria das vezes, a maior inimiga de uma mãe é: 1) ela mesma; 2) uma outra mãe. No primeiro caso, pois impomos a nós mesmas expectativas irreais, perfeição, milhares de obrigações, felicidade inabalável dos filhos, comparação com outras mães, tudo regado a muita culpa. No segundo caso, porque estamos sempre prontas a olhar para uma companheira de maternidade que ousou fazer algo diferente da gente (ou seja, errado, segundo nosso ponto de vista) e pensar (ou verbalizar): "Humpf! Eu faria tudo diferente..." Ou: "Meu filho nunca vai fazer uma cena dessas" e por aí vai. Para pegar leve, ser mais solidária, julgar menos e se unir como "classe".

Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário