quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Pequeno dicionário benjaminiano

Nosso Ben anda conversando bastante em "bebenês" e já possuímos um bom elenco de palavras/ tentativas de comunicar-se na língua dos adultos. Entramos em uma fase de profícua produção linguística e de intenso derretimento de mãe. Difícil aguentar esse pintinho super empolgado em conversar com a gente, né?

Aí vão alguns registros do léxico do Benjamin:

ABI - Foi a primeira palavra de nosso pequeno. (Saiu uns bãe/mãe aos 10 meses de idade, mas não pegou, para tristeza desta que vos escreve... snif, snif!) No início era usada para pedir para abrirmos a janela de manhã, quando acordávamos. No momento, tornou-se uma palavra multifuncional: serve para pedir para abrir alguma coisa, para acender a luz, para dar licença, para alcançar um brinquedo...

ABÔ - Boca

ABÓ - Bola

A-CA-BÔ - Quando termina a comida do prato ou quando ele acha que está na hora de terminar a refeição, estende as mãos e diz a-ca-bô. Variação: acabum!  Ver também cabum.

AGUM! - Quando alguém espirra perto dele, ele arremeda com agum!, então temos que dizer "Saúde!"

AÍ - Usada para sinalizar o que ele quer. Aponta para o objeto, brinquedo, comida e diz: !

AU-AU - É o que ele responde quando perguntamos como é que faz o cachorro e é também como se refere ao bichinho.

BEBÊ - Esta ele fala de um jeito muito meigo, coisa mais linda do mundo, bem suave e pausado: "be-bê". No início era somente se referindo a si mesmo. Agora ele também diz referindo-se ao maninho em minha barriga, já que sempre mostro para ele que tenho dois bebês, um fora e outro, por enquanto, dentro da barriga, e à imagens de bebês em geral.

BRUM-BRUM - O som dos carros ou os carros em si.

CABUM - Tudo que cai faz "cabuuuum!" Às vezes, não entendi bem com que lógica, a palavra se mistura com a-ca-bô, gerando o neologismo acabum.

COCÔ - Esta é nova. A gente pergunta: "Tem cocô?" E ele responde: co-cô.

MÃ-MÃ-MÃ -  Forma de chamar a mamãe. Usada somente em casos de tristeza e desespero. (Filhote, fica a dica: dizer ma-mãe não é tão difícil assim... Brincadeirinha!)

PAPÁ - Às vezes usado para se referir à comida, às vezes para chamar o papai.

POTÓ - É o que ele responde quando perguntamos como é que faz o cavalo e é também como se refere ao animal.

PUM - Quando ele solta um pum, dá um sorriso e avisa: pum! (Flor de educação! hahaha!)

TATE - A tate é aquela amiga que nunca pode faltar para nosso Ben, a teta. Ele vem se rindo todo e pede: a tateeee.

Um amor tudo isso, né? Essas foram as que me lembrei agora. Se me lembrar de mais, volto aqui e atualizo o post.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Nome escolhido!



Ontem batemos o martelo, como se diz por aí, a respeito do nome de nosso bebezuco. Não é uma tarefa fácil encontrar um nome que agrade pai e mãe, mas este nome estava entre os preferidos de nossa lista de possibilidades e não saía da minha cabeça desde que soube que meu filho é um menino.

O mais novo integrante de nossa família vai se chamar GAEL. Eu acho lindo! Estava um pouco em dúvida quanto ao significado, já que Benjamin significa "filho da felicidade" e eu queria um nome que também carregasse consigo uma cor tão positiva e linda. Pesquisei, pesquisei, pesquisei e em sites em inglês e em espanhol encontrei que Gael significa "alegre" e "homem generoso". Então nos decidimos!
Seja bem-vindo, nosso amado Gael! Estamos te esperando para te encher de amor, denguinhos e mimos!

sábado, 15 de setembro de 2012

Um baita susto e uma lição

Acho que nunca contei aqui que logo ao nascer tivemos um baita susto com o Benjamin. Ele sofreu uma contaminação por bactéria e foi diagnosticada uma meningite bacteriana. Foram dificílimos 14 dias na CTI neonatal fazendo tratamento com antibióticos. (Sempre fiquei com a dúvida: se tivesse tido parto em casa isso teria acontecido? E se a bactéria fosse minha e não do hospital e em um parto domiciliar a gente não percebesse o problema a tempo de fazer alguma coisa? Nunca saberei...) Mas, de qualquer forma, saímos dessa numa boa, ainda bem!
Depois disso, para compensar, nosso gurizinho sempre teve saúde de ferro, crescendo bem, mamando muito, se alimentando, se desenvolvendo... No rol dos problemas de saúde, somente uma roséola aos 10 meses e uma virose há umas duas semanas.

Então, na noite de quinta-feira tivemos o nosso segundo baita susto, o qual senti em gravidade e intensidade maior que o primeiro. Eu já estava deitada (a gravidez me deixa com muuuuito sono) e o Abramo estava na sala ninando o Benjamin, que estava um pouco amolado e febril, pois tinha feito vacina naquela manhã. De repente, acordo com o Abramo me chamando: "Aline, o Benjamin está tendo uma convulsão!" Gente, eu não sabia se rezava, se chorava, se pegava ele no colo... É uma cena que eu nunca mais gostaria de presenciar, sinceramente.
Nós dois, cada um com um terço de cérebro funcionando, enquanto a crise acontecia, conseguimos nos vestir, chamar um táxi, ligar para a pediatra, separar carteirinhas do convênio e umas fraldas e coisas do Ben e sair correndo em direção ao hospital mais próximo. A noite de quinta para sexta entrou para o top 10 das piores noites de nossas vidas, com certeza. Procedimentos, exames, seringas, médicos e enfermeiros... Da parte do Benjamin, muito incômodo, medo, choro. Da nossa parte, muito medo, cansaço, insegurança, choro também. Felizmente, os exames que fizeram nele deram todos bons. Tivemos que permanecer com ele internado até a manhã deste sábado somente por questão de precaução, pois os médicos queriam mantê-lo sob observação caso tivesse uma outra crise (o que não aconteceu, felizmente).
Agora estamos em nossa casa, e ele passou o dia bem. Brincou, comeu. Parece estar muito cansado, é claro, pois não foi nada fácil para ele. As costas estão doloridas devido a uma punção feita na base da coluna em um exame que serve para descartar meningite, e o pezinho no local onde colocaram o acesso  para soro e medicamentos também está incomodando. Por que ocorreu a convulsão? Tudo indica que foi uma reação à vacina que ele tomou, a DTP, contra tétano, difteria e coqueluche. (Parece que problemas com essa vacina são mais comuns do que se imagina...) De qualquer forma, já passou. Passamos por esta, juntos e guerreiros.
E a lição? É simples. Na real, é algo que a gente está careca de saber, mas que no dia a dia acaba se perdendo: NADA  é mais importante que as pessoas que amamos, nada mesmo. As últimas semanas estavam sendo difíceis para mim: estava triste, abatida, decepcionada, pois andei levando uma rasteira daquelas da vida... Esse episódio com o Ben - triste, sofrido, pesado - me fez redimensionar as coisas. Toda a dor, a decepção, o sentimento de injustiça, o desconforto que eu estava sentindo perderam a importância. O que importa de verdade está aqui comigo, bem perto e bem junto: Meus filhotes e meu amado. Minha família. Meus amigos verdadeiros. O resto? O que eu perder, eu recupero. O que machucar, eu curo. O que é para ir, que se vá. É ou não é?


terça-feira, 4 de setembro de 2012

Guri ou guria?

Chegamos às 21 semanas de gestação. A barriga já está bem visível e está tudo indo muito bem.
Ontem fizemos um ultrassom e, é claro, foi emocionante ver nosso filhote - os pezinhos, as mãozinhas, a coluna, a cabeça, todo o corpinho... Uma lindeza!


Mas o que tá todo mundo louco para saber é se é menino ou menina, né?
O Benjamin e eu viemos aqui para contar para vocês.









Tentativas de fazer o Ben me ajudar com o cartaz. Essa sessão de fotos rendeu muitas risadas!
É isso aí, pessoas! Continuarei soberana no meu castelo, cercada por meus meninos.
Seja muito bem-vindo, nosso molequinho! Te amamos muito!